Solidariedade às famílias vítimas de violência no Município de Fortaleza, Estado do Ceará

24 mar Solidariedade às famílias vítimas de violência no Município de Fortaleza, Estado do Ceará

O SR. DOMINGOS NETO (Bloco/PSD-CE. Pronunciamento encaminhado pelo orador.) – Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados, venho aqui expressar meu sentimento às famílias vitimadas pela violência em Fortaleza, como ocorreu ontem com o juiz aposentado Edvalson Florêncio Marques Batista, morto em um assalto, enquanto fazia sua habitual caminhada em uma praça, no final da tarde; e, na última sexta, com o jornalista Valdemar Menezes, que luta bravamente pela vida em um hospital da Capital, após ser baleado, também em um assalto, embora não tenha oferecido nenhuma resistência. Solidarizo-me também com as famílias de pessoas anônimas, de cujos casos não tomamos conhecimento, porque os jornais não divulgaram.
Na dor, somos todos iguais. E essa dor ultrapassa os que sofrem a violência para atingir todos nós. Somos todos vítimas. Somos vítimas do encarceramento em nossas residências. Somos vítimas de não podermos desfrutar a beleza de nossa cidade pelos vidros dos automóveis. Somos vítimas da companhia constante do medo de que algo aconteça a um familiar, de que algo aconteça a um amigo, de que algo nos aconteça. E está sempre acontecendo algo de muito ruim, com a banalização da vida.
Tal situação exige de nós todos posicionamento firme, um posicionamento de união para o enfrentamento dessa violência cotidiana. Politizar esse tema, ou melhor, partidarizar a violência, por um lado ou pelo outro, não nos ajudará. Ao contrário, incorreremos no grave erro de não lutarmos por uma solução real, ao empurrarmos a responsabilidade para um ou para outro. A violência que nos atinge não é mérito nem culpa do Governador, nem da Oposição e muito menos da imprensa. Aliás, temos que ter a honestidade de reconhecer, de admitir que não é também uma prerrogativa do Ceará. Certamente que se o Ceará apresenta maiores índices de violência é porque também tem problemas maiores que incidem nessa banalidade do mal, que recruta menores para o crime, que ceifa vidas com uma naturalidade estarrecedora.
Venho aqui fazer um apelo aos companheiros da bancada cearense, um apelo à união de todos. Proponho, e já solicito aqui, publicamente, uma audiência com o Governador Camilo Santana com pauta única. Proponho também que na próxima reunião do Ceará Pacífico, Comitê interinstitucional que o Governo do Ceará criou, em agosto do ano passado, para debater ações de combate à violência, estejamos presentes, toda a bancada. Juntos,haveremos de, pensando acima de quaisquer interesses que não seja a vida de nossos irmãos cearenses, contribuir com o debate e elaborar ações pela paz. A redução da criminalidade e a promoção da paz em nossas cidades exigem alinhamento de todos, suprapartidário, responsável, propositivo.
Sempre que se fala da violência, especialistas estudiosos do tema apontam falhas em nossa legislação penal, retroalimentando o problema. Nesse aspecto, podemos contribuir passando um pente-fino naquilo que é visto como falho e favorável ao crescente da violência e alterar a legislação de forma célere e eficaz. A complexidade do problema da violência extrapola as esferas governamentais e requer o envolvimento e o comprometimento de todos. Como representantes do Estado do Ceará, não podemos ficar silentes. Aperfeiçoar a legislação é uma contribuição que podemos oferecer, com o assessoramento das academias, das organizações sociais dedicadas ao debate. Pensando juntos haveremos de encontrar alternativa que possa nos fazer avançar na reconquista da dignidade humana que é poder viver em paz.
Esta hora é de união política pelo Ceará, pela paz no Ceará. Conclamo aqui todas as lideranças, de todas as legendas, para o enfrentamento do problema. A população merece, e temos essa responsabilidade.
Solicito a divulgação deste pronunciamento no programa A Voz do Brasil, na TV Câmara e nos demais veículos de comunicação desta Casa.
Obrigado, Sr. Presidente.

No Comments

Post A Comment

20 − 19 =